Deaf World

Categoria: Poesia em Língua de Sinais
País: Estados Unidos
Poema: “Deaf World
Línguas: Inglês e American Sign Language (ASL)

Para além de um mundo de sons, transborda um mundo surdo: nas árvores, no céu, nas nuvens e nos mares. “Deaf World” (“Mundo surdo”), um poema gestual de Clayton Valli (um dos principais poetas em língua de sinais dos Estados Unidos, morto em 2003), reapresentado por Jed Galimore.

 

 

Korunní

Categoria: Propaganda
País: República Tcheca
Anunciante: Korunní
Línguas: Tcheco e Český znakový jazyk (CZJ – Língua Gestual Tcheca)
Site oficial: http://www.korunni.cz

A fabricante de água mineral Korunní (República Tcheca), para ressaltar as propriedades da bebida e incentivar o seu consumo diário, lançou uma campanha com mais de 150 spots que, a cada dia, chamavam a atenção para eventos específicos que aconteciam (ou se celebravam) na data. “Embora cada dia tenha a sua especificidade, em todos eles se pode beber Korunní, uma água rica em minerais” – o mote da campanha. No dia 24 de setembro de 2003, foi ao ar um spot que fazia referência ao Dia do Surdo, retratando com bom humor uma situação em que não ouvir pode ser bastante vantajoso.

 

 

Paul Johnston

Categoria: Artes Plásticas
País: Estados Unidos
Obra: “Spiral Handmask II
Línguas: Inglês e American Sign Language (ASL)

Um dos precursores e principais artistas De’VIA (Arte Surda) norte-americanos, Paul Johnston explora – com maestria – diferentes linguagens, do teatro às artes plásticas. Bacharel em Artes Plásticas pela Rochester Institute of Technology e mestre e doutor em Arte-educação pela Pennsylvania State University, Johnston, filho surdo de artistas ouvintes, tem a arte como eixo norteador de toda a sua trajetória acadêmica, dedicando-se, sobretudo, ao ensino e à pesquisa das interfaces entre a arte e a surdez.  No Departamento de Artes da Gallaudet University, onde hoje leciona, já ministrou disciplinas de Design, Desenho Experimental, Escultura, Introdução à De’VIA, entre outras. Suas obras, majoritariamente, trazem à tona o tema deafhood: “considero-me um artista semi-abstrato. Constantemente, tento partilhar e alimentar minhas obras transferindo para o papel meus sentimentos, minhas interpretações filosóficas sobre a minha experiência Surda e o uso da mãos como uma ferramenta tanto para comunicar quanto para criar. Meu trabalho é, por vezes, expressão de minha identidade como americano e como indivíduo surdo que vive uma experiência bicultural. (…) Assim como os ouvinte apreciam a beleza da música, os surdos apreciam e respeitam a beleza das línguas gestuais e o prazer das artes visuais. Minha intenção é abraçar a liberdade de expressão inventando novos e imaginativos ícones em cada um dos meus trabalhos. (…) Quero que minhas obras falem por elas mesmas” (retirado de DeafArt). Clique aqui para ver registros (fotos e vídeos) de uma residência artística feita por Paul Johnston no Instituto de Arte de Siena (Itália, 2011).

 
Paul Johnston
 

Encontro de Arte, Cultura e Mídia Surda

Categoria: Eventos
País: Brasil
Línguas: Português e Língua de Sinais Brasileira (Libras/LSB)
Site oficial: http://ciacs.webnode.com

No dia 27 de setembro, será realizado no Rio de Janeiro o I Encontro de Arte, Cultura e Mídia Surda. Promovido pelo CIACS (Centro de Integração de Arte e Cultura dos Surdos), o evento acontecerá das 13h às 19h40, no espaço do Grupo Teatral Moitará. Entre as atividades, destacam-se palestras, oficinas e apresentações teatrais – todas sobre arte, acessibilidade e culturas surdas. Para saber mais informações (programação, inscrições, valores, locais, etc.), acesse o blog do CIACS, clique aqui.

 

 

Cebeleireiro, deficiente, cego, surdo

Categoria: Curtas / Animações
País: Portugal
Filme: “Cabeleireiro, deficiente, cego, surdo
Línguas: Português e Língua Gestual Portuguesa (LGP)

Compadecido com um cliente cadeirante, um cabeleireiro decide – em gesto cortês – ofertar-lhe o corte, sem cobrar qualquer valor pelo serviço. No dia seguinte, o senhor em cadeira de rodas o presenteia com um espelho, expressando assim a sua gratidão. O mesmo acontece com um cliente cego que, ao ter o cabelo cortado à borla (de graça), retribui com flores a cortesia do cabeleireiro. Então, chega a vez do cliente surdo, que também não é cobrado pelo corte. A resposta surge no dia seguinte, para a surpresa do dono do salão. Assista ao bem humorado curta-metragem produzido por Luis Tavares (Portugal) e saiba o desfecho da história.