O resto é silêncio

De forma potente e sensível, a peça “O resto é silêncio” traz à cena a história de Manuel, um jovem surdo que atravessa as belezas e as intempéries da surdez em uma sociedade majoritariamente ouvinte – da interdição de sua língua (e identidade) às cumplicidades que o fazem crescer e resistir em um mundo de sons.

“Manuel, um jovem surdo apaixonado pelos fogos de artificio passa a ouvir e aguarda ansiosamente a virada do ano. Até lá tenta distinguir o que vale e o que não vale a pena ouvir” (sinopse oficial).

O texto do espetáculo (de Wesley Leal) é construído pela costura da língua oral com a língua de sinais, que ora se sobrepõem, ora se intercalam, mas sempre se enredam ao silêncio e aos sons que envolvem a vida do protagonista. As lacunas que se criam para os ouvintes não sabedores da Libras e para os surdos que não conseguem acessar ali o Português falado provocam uma tensão à narrativa, evidenciando a fragilidade de todos à falta de acesso a uma comunicação possível: uma ótima solução bilíngue para a trama.

No palco, as atuações primorosas de Rafael Anastasi e Wesley Leal (direção de Sabrina Caires), da Cia. Arte e Raiz, contam com um belo trabalho de cenografia. A peça, cuja estreia aconteceu em 2017, já circulou por diferentes locais em São Paulo, como Memorial da Inclusão, Sescs Santo Amaro, Jundiaí e Ipiranga, Espaço Parlapatões, entre outros. Eis um ótimo espetáculo para engrossar o caldo das produções culturais surdas do país.

Para saber mais sobre a companhia e a peça, sigam-nas no Facebook (clique aqui), no Instagram (clique aqui) ou no site do espetáculo (clique aqui).

 
O Resto é silêncio
 


Categoria: Teatro
País: Brasil
Línguas: Português e Língua de Sinais Brasileira (Libras/LSB)
Site oficial: https://espetaculoorestoes.wixsite.com/orestoesilencio