Tim Sweeney

Categoria: Música com sinais
País: Estados Unidos
Vídeo: “Baby I try for you
Línguas: Inglês e American Sign Language (ASL), legendas ocultas (CC) em Portuguêssaiba mais
Letra / Tradução: “Baby I try for you” traduzido para o Português

Diferente do que muitos pensam, “Baby I try for you” não diz respeito ao silêncio que se impõe entre um casal que se ama, mas retrata – de forma sensível e singela – a impossibilidade de um filho autista expressar por palavras o seu amor à mãe. Tim Sweeney (cantor country estadunidense) fez da canção uma bonita homenagem a seu filho Timmy, um rapaz com síndrome de Down e autismo que não consegue se comunicar por meio da fala. Em primeira pessoa, como se Timmy estivesse a cantar, a música dirige-se à mãe do menino, dizendo-lhe o quanto ela é amada (confira a letra traduzida, clique aqui). E para dar ainda mais beleza, além de novos sentidos, ao clipe, Sweeney chamou a atenção às línguas de sinais como outros meios possíveis “de se dizer”. O vídeo é dirigido pela realizadora surda Jules Dameron e conta com legendas que podem ser traduzidas para o Português – saiba mais.

 

 

Vice – Signs of change

Categoria: Curtas / Animações
País: Estados Unidos
Filme: “Signs of change
Línguas: Inglês e American Sign Language (ASL),  legendas ocultas (CC) em Portuguêssaiba mais

A profusão do implante coclear e, frente a isso, os dilemas das comunidades surdas são abordados neste pequeno vídeo produzido pela Vice News, intitulado “Signs of change” (“Sinais de mudança”). O tema, gerador de tantas polêmicas, é retratado no curta-metragem por diferentes perspectivas, todas elas contextualizadas em solo norte-americano (o vídeo conta com legendas que podem ser traduzidas para o Português – saiba mais).

   

 
 

DPAN.tv

Categoria: Séries e Programas
País: Estados Unidos
Línguas: Inglês e American Sign Language (ASL)
Site oficial: https://dpan.tv/

Produzida pelo Deaf Professional Arts Network (D-PAN), a DPAN.tv oferece numerosos vídeos em seu site. Além dos já famosos musicvideos gravados pelo projeto (muitos deles publicados neste blog desde 2011), o DPAN.tv apresenta agora um webjornal em American Sign Language (com locução e legendas em Inglês) dividido em categorias como “animais”, “negócios”, “comunidade”, “criminalidade”, “comunidade surda”, “entretenimento”, “política”, “esportes”, “ciência”, “saúde”, “educação” etc. Para acessar o site do DPAN.tv, clique aqui; para assistir a alguns dos musicvideos (clássicos!) do D-PAN já postados no Blog CulturaSurda.net, clique a seguir: vídeo 01, vídeo 02, vídeo 03.

 
DPANtv
 

Nada que eu ouça

Categoria: Filmes
País: Estados Unidos
Ano: 2008
Título: “Nada que eu ouça” (“Sweet nothing in my ear”)
Línguas: Inglês e American Sign Language (ASL), legendas em Português

“Nada que eu ouça” (“Sweet nothing in my ear”) é um dos filmes obrigatórios para aqueles que começam a se aproximar das comunidades e das culturas surdas. Nele, a disputa judicial pela guarda de um filho surdo torna-se pano de fundo para uma sensível discussão sobre implantes cocleares, identidades surdas, orgulho surdo etc. As diferentes expectativas postas em conflito (de um lado, um pai ouvinte; de outro, uma mãe surda) vão deslindando diferentes concepções sobre a surdez, fazendo emergir as nuances políticas (e não só médicas) que envolvem a decisão de se implantar, ou não, uma criança surda. Com muita sutileza, o filme protagonizado por Jeff Daniels e Marlee Matlin (clique aqui para conhecê-la) traz à tona uma série de práticas e artefatos comuns ao mundo surdo, promovendo ao grande público novos olhares sobre o tema. O filme conta com legendas em Português.

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR AO FILME

Nada que eu ouça

 

Kellogg’s Corn Flakes

Categoria: Propaganda
País: Estados Unidos
Anunciante: Kellogg’s Corn Flakes
Línguas: Inglês e American Sign Language (ASL)
Site oficial: http://www.kelloggs.com

Já na década de 1990, a American Sign Language (ASL) ganhava destaque em um anúncio de cereais protagonizado por uma menina surda bastante expressiva. Enfática e surpresa ao descobrir que experimentaria ali o Kellogg’s Corn Flakes, ela diz: “Com licença, nada além de cereais? Argh! Me poupe!”. Mas, persuadida, ela se rende ao convite (“ok, ok, ok”), come uma colher de Corn Flakes com leite e demonstra grande satisfação: “Olá, Tina? Tem alguém em casa? Isso é bom! Crocante! Apenas flocos. Wow!”.