Referências Bibliográficas

• BARRIO, Angel-B. Manual de Antropologia Cultural. Recife: Massangana, 2005.
• BEVILACQUA, Cecília; COSTA FILHO, Orozimbo. O que é Implante Coclear. Website Implante Coclear. Disponível em: http://www.implantecoclear.com.br.
• BRADDOCK, David; PARISH, Susan. An institutional history of disability. In: ALBRECHT, Gary; SEELMAN, Katherine; BURY, Michael (Eds.). Handbook of disability studies. California: Sage Publications, 2001. p. 11-68.
• CAPOVILLA, Fernando. Filosofias educacionais em relação ao surdo: do oralismo à comunicação total ao bilinguismo. Revista Brasileira de Educação Especial, São Paulo, v.6, n.1, 2000. p. 99-116.
• CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. In: CASTELLS, Manuel. Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001. v.2.
• COELHO, Orquídea; CABRAL, Eduardo; GOMES, Maria do Céu. Formação de Surdos: ao encontro da legitimidade perdida. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 22, 2004. p. 153-181.
• GARDNER, Jane. Being a Roman Citizen. London: Routledge, 1993.
• HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.
• KARNOPP, Lodenir; ROSA, Fabiano. Patinho Surdo. Canoas: Ed. Ulbra, 2005.
• KUSTERS, Annelies. Deaf on the Lifeline of Mumbai. Sign Language Studies, Washington D.C., v. 10, n. 1, 2009. p. 36 -68.
• LADD, Paddy. Deafhood: A concept stressing possibilities, not deficits. Scandinavian Journal of Public Health, [S.l], n. 33, 2005. p. 12-17.
• LARAIA, Roque de Barros. Cultura – um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.
• LEMOS, Márcia. O ‘mos maiorum’ e a fortuna do Império Romano no séc. IV d.C. Revista Dimensões, Espírito Santo , v. 25., 2010. p. 46-62.
• LODI, Ana Claudia. Plurilingüismo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, 2005. p. 409-424.
• LONGMAN, Liliane Vieira. Memórias de Surdos. Recife: Massangana, 2007.
• LOPES, Maura C.; VEIGA-NETO, Alfredo. Marcadores culturais surdos: quando eles se constituem no espaço escolar. Perspectiva, Florianópolis, v.24, n.3, 2006. p. 81-100.
• LOPES, Maura C. Surdez & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.
• LOURO, Guacira. Pedagogias da Sexualidade. In: LOURO, Guacira (Org.). O corpo educado – Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2000. p. 5-24
• LULKIN, Sérgio. O discurso moderno na educação dos surdos: práticas de controle do corpo e a expressão cultural amordaçada. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez – um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2005. p. 33-49.
• LUNARDI, Márcia; MACHADO, Fernanda. Discursos sobre a surdez: problematizando as normalidades. Revista Educação Especial, Santa Maria, n.30, 2007
• MAGNANI, José Cantor. “Vai ter música?”: para uma antropologia das festas juninas de surdos na cidade de São Paulo. Ponto Urbe – Revista do Núcleo de Antropologia Urbana da USP, São Paulo, ano 1, 2007.
• MOORES, Donald. The history of language and communication issues in deaf education. In: MARSCHARK, Marc; SPENCER, Patricia. Deaf studies, language and education. New York: Oxford University Press, 2010. p.17-30.
• NASCIMENTO, Lilian. Um pouco mais da história da educação dos surdos, segundo Ferdinand Berthier. Educação Temática Digital, Campinas, v.7, n.2, 2006. p.255-265.
• NEVES, Maria Helena. A teoria linguistica em Aristóteles. Alfa – Revista de Linguística, São José do Rio Preto, v.25, 1981. p. 57-67.
• OATES, Eugênio. Linguagem das mãos. Aparecida: Editora Santuário, 1988.
• PERLIN, Gladis. Identidades surdas. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez – um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2005. p. 51-73.
• PERLIN, Gladis; MIRANDA, Wilson. Surdos: o narrar e a política. Ponto de Vista, Florianópolis, n. 5, 2003. p. 217-226.
• PLANN, Susan. Pedro Ponce de León: Myth and Reality. In: CLEVE, John (Ed.). Deaf History Unveiled. Washington D.C.: Gallaudet University Press, 2003. p.1-12.
• QUADROS, Ronice. Educação de surdos – A aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.
• QUADROS, Ronice; HEBERLE, Viviane. Curso de letras/licenciatura com habilitação em língua brasileira de sinais: inclusão nas universidades públicas brasileiras. Desafios da Educação a Distância na Formação de Professores, Brasília, 1 ed, v.1, 2006. p. 87-92.
• REILY, Lucia. O papel da Igreja nos primórdios da educação dos surdos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 35, 2007. p. 308-326.
• SANTOS, José Luiz. O que é cultura. São Paulo: Brasiliense, 2010.
• SILVA, Cesar; TEIXEIRA, Jacqueline. Entre a “cultura surda” e a cura da surdez: análise comparativa das práticas da Igreja Batista e da Igreja Internacional da Graça de Deus no Brasil. Revista Cultura y Religión, Chile, v. 2, n.3, 2008.
• SILVA, Vilmar. Educação de Surdos: uma releitura da primeira escola pública para surdos em Paris e do Congresso de Milão em 1880. In: QUADROS, Ronice (Org.). Estudos Surdos I. Petrópolis: Arara Azul, 2006. p. 14-37.
• SKLIAR, Carlos. Os Estudos Surdos em Educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez – um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2005a. p.7-32.
• SKLIAR, Carlos. Um olhar sobre o nosso olhar acerca da surdez e das diferenças. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez – um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2005b. p. 5-6.
• SODRÉ, Muniz. Por um conceito de minoria. In: PAIVA, Raquel; BARBALHO, Alexandre (Orgs.). Comunicação e cultura das minorias. São Paulo: Paulus, 2005. p. 11-14.
• STOKOE, William. Sign Language structure. Maryland: Linstok Press, 1960.
• STROEBEL, Karin. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.
• STUMPF, Marianne. Possibilidade de escrita pelos surdos. In: CONGRESSO INES: 150 ANOS NO CENÁRIO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA, 2007, Rio de Janeiro. Anais do Congresso. Rio de Janeiro: INES, 2007. p. 48-55.
• WRIGLEY, Owen. The Politics of Deafness.Washington D.C.: Gallaudet University Press, 1997.

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: